Reunião de 13/07/09 sobre pesca esportiva no rio Negro

Amigos, abaixo compartilho com vocês uma mensagem que eu enviei a equipe do Programa Rio Negro do ISA, relatando o que aconteceu na reunião sobre turismo de pesca, ocorrida na SDS no último dia 13 de julho.

Oi pessoal,
Segue abaixo um breve relato de uma conversa que a Rede RN foi convidada para participar com o GT de Pesca Esportiva.
Primeiramente, vale falar que há alguns meses a SDS, a pedido da AOBT (Associação dos Operadores de Barco de Turismo), uma organizações bem forte de turismo aqui no AM, formou um GT de pesca esportiva composto por: IPAAM, SDS, FUNAi, FEPI (SEIND em formação), AOBT, IBAMA/SEPLAN, AmazonasTur, AMAPE (Associação Amazonense de Pesca Esportiva) e SEPROR
Esse GT tem os objetivos de avaliar e contribuir para a legislação de pesca no Am e promover um zoneamento da pesca esportiva no Rio Negro. Por causa desse foco no RN, eles acabaram convidando a Rede para participar de uma das conversas sobre essa atividade no médio Negro e no Cuieiras.
Bom, por enquanto tudo parecia mais ou menos bem até que, o Leonardo Leão (Presidente da AOBT) iniciou a conversa com as seguintes frases: "Nós da AOBT somos veementemente contra a criação de TIs em áreas de pesca de turismo. Com os índios donos da terra, as negociações acabam sendo feitas diretamente com os operadores e tendem a se tornar promíscuas. Queremos que no médio RN sejam criadas Unidades de Conservação porque, assim, as negociações ficarão centralizadas ou mediadas pelo órgão gestor e isso é melhor"
Bom, com um início desse, eu não pude deixar de falar que se eles pensavam assim, a conversa estava começando muito mal e nós, ISA, não teríamos o que fazer naquele fórum. Os representantes da FEPI e o WWF apoiaram a minha resposta e o pessoal da AOBT começou a recurar um pouco. Havia outros dois representantes da AOBT que pareciam um pouco menos radicais que o Leonardo e tentaram segurar a onda.
O Leonardo tentou se remendar, explicando que a "história" tem mostrado que esse tipo de atividade de pesca acontece melhor em UCs, falando sempre que não tinha nada contra os índios (é sempre assim, né?), mas que eles (os indígenas) não teriam condições de negociarem diretamente os acordos para que a atividade ocorresse bem.
Retomando um pouco o fôlego (e o espírito Poleana) eu expliquei, com a ajuda do Samuel e do Jurandir e Rosa (esses dois últimos da Fepi) para o Leonardo que o RN é um dos locais onde as associações indígenas estão mais organizadas, que grande parte da bacia é inquestionavelmente indígena, falei dos estudos da Funai, mostrei e comentei o Boletim do seminário de Ordenamento Territorial, insisti que esse discurso da AOBT iria gerar muito conflito e que acabaria sendo um impeditivo para que eles trabalhassem no RN (pelo menos médio e alto), pedi que se informassem e que abrissem suas mentes, etc.
Bom, a conversa de quase duas horas avançava um pouco quando os outros representantes da AOBT falavam, mas sempre retrocedia quando Leonardo tomava a palavra. Ao final, fechando com chave de ouro, o Leonardo disse que, em última instância, quando as TIs saíssem no Diário Oficial, ele poderia mover uma ação questionando a sua homologação. Nesse ponto, eu já não estava mais na reunião, mas o Samuel pode nos dar mais informações, se necessário.
O outros membros do GT que estavam na reunião pareciam incomodado com as falas do Leonardo e, espero, que reflitam e mudem o rumo da prosa. Caso contrário, acho que teremos trabalho com essa turminha que está dialogando diretamente com a SDS.
Estavam presentes na reunião: CEUC/SDS, AOBT, IPAAM, FEPI, WWF, AmazonasTur e ISA

Abraços
Marina
PS: O pessoal da FEPI (SEIND) mencionou muito o caso de pesca esportiva na TI Marmelo como uma experiência de sucesso. Alguém tem detalhes sobre isso? / PS2: A AOBT mencionou um estudo de uma tal de Gerlane (não tinham certeza se era esse o nome da pessoa) que demostra a sustentabilidade da pesca esportiva (do ponto de vista do peixe)